Resenha – Furnace lugar onde o Maia deveria ir.

E aí? Muitas saudades de mim? Eu sei, eu também estava. Hoje vamos falar de um livro que não tem historinhas de amor, que não tem lengalenga. É só confusão, sangue, griataria e violência!

Vim lhes apresentar: Encarcerados: A fuga de Furnace. Do escritor Alexander Gordon Smith ~sem piadinhas com o Gordon e blablabla u.ú~

O personagem principal é um daqueles moleque encrenqueiros da escola e que um belo dia decide que mexer com os amiguinhos mais fracos não era suficiente. Junto com o seu amigo Toby, Alex começou a fazer pequenos assaltos em casas do subúrbio. Durante um desses assaltos tudo da errado e após a morte de Toby o mundo vira de cabeça pra baixo e é aí que a porra fica séria.

Como o título deixa claro, estamos falando de uma cadeia. Furnance é o que há de mais próximo de inferno que um ser humano poderia conhecer, sem morrer. Seus guardas são seres grotescos e o diretor é aquele cara que você só enxergar ódio no olhar, quando consegue olhar pra ele.

O autor é um inglês que envolve você a cada página. Eu não deixei de ler um só dia! Você acaba querendo estar naquele lugar. Você quer conhecer os cães, assistir de longe as “brincadeiras no ginásio”. Eu, honestamente, senti a angústia do Alex Swayer, nos meus ossos.

Encarcerados é que o tipo de livro pra macho nenhum botar defeito. Meninas, assim como eu, vão sentir aquela vontade insana de ir lá e salvar os caras legais e dormir com os durões.

Agora você me pergunta : “Mas Artemis, por quê o Maia deveria ir para Furnace?” Em Furnance, moleques chatos e almofadinha como ele, são comidos no café da manhã!

NOTA: 8,5. Se eu falei tão bem, por quê um 8,5? Simples, vai virar filme e só eu sei o quanto isso me deixa revoltada!

Então é isso! Leiam essa bagaça e deixem seus comentários.

Ps: SE o Maia continuar enchendo o meu saco, vou criar uma Furnance particular para ele.